Um dos pontos principais para o crescimento dos negócios é a qualificação da mão de obra. No ramo logístico o colaborador na pode deixar a desejar, pois a sua desqualificação atravanca a agilidade de um dos setores da empresa que mais precisa de pessoas capacitadas. O constante aperfeiçoamento faz parte de uma boa gestão e a empresa que investe nessa proposta, sem dúvida, caminha a passos certos.

O problema é que no Brasil é difícil encontrar mão de obra qualificada de imediato. O mercado quase não oferece profissionais preparados porque o incentivo governamental é baixo. Se o profissional não tiver condições de investir em si mesmo, por si só, ele vai mesmo depender da aposta de uma empresa porque os estudos de ponta são caros. Aí mora o perigo, já que uma empresa com visão não quer perder um profissional que acabou de preparar, pelo contrário, a ideia é permitir que esse profissional cresça em sua carreira dentro da empresa.

Vamos ao lado bom. Hoje, é possível investir na contratação de um funcionário colaborador com algum conhecimento e experiência na área, que tenha potencial, e permitir que ele se desenvolva. Na área de logística e supply chain, a possibilidade de buscar treinamentos in company tem atraído empresas nos seus diversos segmentos. Essa tem sido a forma de burlar a falta de mão de obra e reter profissionais com potencial.

Se pensarmos bem, a melhor alternativa é não esperar sentado pelas melhorias do setor educacional, mas apressar-se com os investimentos na capacitação profissional e, assim, não sofrer no futuro ao esbarrar na estagnação pela falta de preparo humano. Ao antecipar-se, o empresário brasileiro vai demonstrando que está pronto para enfrentar as adversidades e não vai aceitar jamais uma derrocada por falta de iniciativa. O mercado anda cada vez mais competitivo e essa é a melhor saída.

Ao buscar mão de obra preparada, seja pela contratação ou preparação interna, as chances de aumentar a competitividade se consolidam e se tornam cada vez mais palpáveis. Ao contribuir para o crescimento econômico do país, todo mundo ganha e o meio empresarial se fortalece.