Quanto custa para armazenar um produto? Qual é o custo do transporte, do gerenciamento dos fretes, da distribuição de mercadorias? Qual é o custo ideal para uma operação de intralogística?

Essas são apenas algumas das perguntas a serem respondidas por uma empresa de qualquer setor que pretende ter resultados positivos em seus negócios. O custo logístico é tão importante quanto o custo da mercadoria em si, porém nem sempre essa informação é incorporada no cálculo. Ao pensar em um modelo para simples explicação, podemos citar a operação de logística interna e armazenagem. Há uma oscilação natural de custos nessas duas áreas, variando de acordo com as características de cada operação. A empresa precisa deter cada número da operação para administrar o custo total logístico, o qual também envolve outros departamentos, como, por exemplo, o transporte.

Não vamos falar aqui de fórmulas para cálculo de preços, basicamente o empresário deve ter em mente que o seu estoque está gerando despesas, assim como a distribuição, o gerenciamento de matérias-primas, dentre outras. Quanto mais otimizado se tornarem tais processos, maior é a economia e, portanto, maior é o lucro. Lembrando que só utilizamos a palavra lucro para tornar didática a explanação, uma vez que a logística por si só não gera lucros, assim como a compra de matéria-prima por um preço mais em conta também não. O lucro é o resultado da eficiência dos processos, somada a margem projetada no preço de venda do produto e do diferencial que agrega valor ao negócio. Porém, a conta é simples, ao economizar na produção e nos seus processos, incluindo a logística, a empresa cresce e se fortalece para novos negócios.

A inteligência corporativa sabe que os custos logísticos representam de 5% a 35% das vendas, variando de acordo com o estilo do negócio, processos e utilização de materiais. Eles são vitais para o sucesso, uma vez que há uma grande despesa com a área. Sua boa gestão traz competitividade para o negócio, mas é um departamento muito difícil de organizar. Talvez o pior de todos pelo fato da Logística ser a última ponta do processo de produção. Pense no vendedor ambulante de pipoca. Ele tem o carrinho, as panelas, o óleo, o sal, os saquinhos para depositar o produto e o evento para o qual ele foi chamado já vai começar. Acontece que o sobrinho que ficou de trazer o milho-pipoca perdeu o ônibus e vai atrasar duas horas. É óbvio que o dia está perdido e, nesse caso, a falta de organização da logística prejudicou o negócio em 100% porque foi incapaz entregar a matéria-prima a tempo.