A frase feita é a mais pura verdade: “Em pleno século 21, a preocupação com o bem-estar das pessoas deveria deixar de ser pauta de discussão para se tornar algo natural dentro das empresas”. Acontece que a maioria dos empresários não encaminha a sua administração por essa via, o que é um erro, pois a produtividade tem forte relação com a felicidade dos colaboradores. “Quando o indivíduo se sente bem tratado, ou seja, quando ele cria uma identificação positiva com os valores da empresa, percebe que é importante dentro da organização, que lá dentro todos estão preocupados com a saúde dele, com o seu desenvolvimento profissional e pessoal ele sente prazer em frequentar tal ambiente e não mede esforços para torná-lo ainda melhor”, diz a psicóloga Amanda de Vasconcelos, mestre em Administração pela UFPR e professora do curso de Psicologia da Universidade Positivo.

Empresas com esse entendimento sobre os ideais dos indivíduos têm as suas marcas solidificadas mais facilmente no mercado. Isso não quer dizer que o caminho empresarial será mais fácil e que basta cuidar dos indivíduos para crescer, mas uma boa gestão de pessoas é fundamental como peça da engrenagem. O efeito de tudo isso é a longo prazo, envolve promoção de atividades recreativas e opções de lazer como: aulas de artes marciais, palestras, apresentações culturais, sessões de massagem, disposição de quadras esportivas e salões de festa para encontros familiares.

Citando um exemplo, a BPLog desde 2010 oferece aulas de ginástica laboral para melhorar a qualidade de vida. A produtividade aumentou desde então, mas há que se considerar que esse tipo de trabalho não é dos mais fáceis. Depende de intensa participação das áreas de recursos humanos e de endomarketing, responsáveis por mudar o tradicional sistema de gerenciamento empresarial e aplicar uma nova rotina.

Basicamente é preciso entender que o funcionário percebe se a empresa se preocupa com ele. Não adiantam programas de qualquer tipo se, na hora “H”, não houver respeito mútuo. Quando o funcionário precisar de um apoio da companhia ele deve vir naturalmente, gerando confiança entre as partes, para que o contrário também aconteça, ou seja, na hora da cobrança da empresa o funcionário responda com satisfação, orgulhoso da sua importância dentro da organização.

A velha máxima de que o exemplo é a melhor maneira de conquistar respeito é verdadeira. Antes de planejar motivar os colaboradores, donos e gerentes da empresa devem demonstrar o quanto se importam com o negócio, o quanto de suas vidas está envolvido alí, naquele projeto, e o quanto são capazes de doar para alcançar o sucesso do empreendimento. Quando esse equilíbrio for atingido, o caminho será trilhado por todos e a passos largos.

Simplificando, a relação de satisfação entre empresa e colaborador deve ser trabalhada o tempo todo. Não importa o meio profissional, seja ele terceirizado ou não, logístico ou de produção, o corpo administrativo não pode se apegar a um único conceito e tomá-lo como verdade absoluta. Assim como a sociedade evolui seu comportamento, mudam as formas das pessoas aceitarem o gerenciamento de suas vidas. É preciso acompanhar toda essa evolução e considerar que o século 21 é agora e, mesmo com tanto avanço tecnológico, é muito gratificante que o indivíduo não seja esquecido.