A informação vem das agências de notícias dos principais meios de comunicação do país, apontando que os projetos de infraestrutura logística deverão receber R$ 9 bilhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em 2013. Tudo ainda é uma suposição, pois liberações de crédito como essa não costumam acontecer da noite para o dia. É importante salientar que o BNDES está disponibilizando essa quantia, não significa que ela já tenha todos os projetos prontos para o seu destino.

 

PIL
O Programa de Investimento e Logística (PIL) foi anunciado em agosto de 2012 pelo governo e nele se incluíram os leilões para rodovias, empréstimos para logística, empréstimos-ponte para os aeroportos concedidos de Guarulhos, Campinas e Brasília, concedidos à iniciativa privada. Foram R$ 7,3 bilhões para empréstimos em logística.

Agora, para este segundo semestre, a meta é aprovar os financiamentos de longo prazo ainda este ano. As concessões de rodovias devem sair na frente, depois entram os aeroportos do Galeão, no Rio, e de Confins, em Belo Horizonte. Por fim, virão os projetos de investimentos em ferrovias e portos.

Investimentos governamentais em infraestrutura, por mais que pareçam distantes das empresas privadas, respingam positivamente em inúmeros setores, pois tendem a favorecer o crescimento. Considerando o tipo de gerenciamento econômico do Brasil, de alta carga tributária e pouco incentivo, o aprimoramento logístico é uma excelente ferramenta para novas soluções mercadológicas. É aguardar para ver.

Empreendimentos apoiáveis
O BNDES financia implantação, expansão, modernização e recuperação nos seguintes segmentos:

  • Via permanente ferroviária.
  • Infraestrutura rodoviária, exceto os investimentos oriundos de processos de concessão.
  • Terminais portuários, aeroportuários, de integração intermodal ou intramodal, centros de distribuição e demais unidades de armazenagem e/ou movimentação de cargas.
  • Infraestrutura e sistemas operacionais de companhias aéreas regulares.
  • Infraestrutura hidroviária.
  • Aquisição de equipamentos (inclusive locomotivas, vagões, embarcações e aeronaves) e sistemas operacionais de movimentação de carga e passageiros.
  • Infraestrutura dutoviária para biocombustíveis.

Investimento em Curitiba – Copa 2014

  • Com o dinheiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em caixa, as obras da Arena da Baixada passaram a ganhar ritmo neste ano. O Atlético-PR já recebeu a terceira parcela dos R$ 130 milhões as ampliações da estrutura existente e a obra nova. O estádio do Atlético-PR vai ser palco de quatro jogos da primeira fase do Mundial. Terá capacidade para 43.981 torcedores em dias de jogos. Além disso, o clube pretende fazer dele uma arena multiuso, que poderá receber shows para até 60 mil pessoas.
  • A requalificação da Rodoferroviária de Curitiba está sendo realizada com a interdição de metade do prédio atual. Há risco de ela não ficar pronta a tempo. De acordo com o plano de ocupação elaborado pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), estão previstas a instalação de praça de alimentação, livraria, lanchonetes, cafeteria, lojas de confecção e produtos de couro, farmácias, bijuterias, conveniências e restaurantes. A administração municipal também informou que serão instalados novos banheiros com acessibilidade e fraldários, novo serviço de guarda-volumes, passarelas para pessoas com deficiência e novos espaços para informações aos usuários, administração e serviços públicos, como Polícia Militar (PM) e Associação Nacional de Transportes Terrestres e Departamento de Estradas de Rodagem (DER).
  • O Aeroporto Internacional Afonso Pena está na cidade de São José dos Pinhais, mas atende prioritariamente Curitiba. Suas obras preveem dobrar a capacidade de atendimento com oito novas pontes de embarque e desembarque, além de 32 novos balcões de check-in. Entre as obras previstas, apenas a ampliação do estacionamento foi concluída.
  • Curitiba possui 242 estabelecimentos de rede hoteleira, que somam pouco mais de 19 mil leitos. A estrutura da capital paranaense é considerada apta pelo Ministério do Turismo para receber os visitantes durante o Mundial.