Categorias
Logística

Centros de Distribuição: como funciona?

É bastante comum que os centro de distribuição sejam associados a estoques ou armazéns, mas na verdade eles funcionam de uma maneira diferente.  Os CDs, como também são chamados, são na verdade uma forma de agilizar a distribuição para pequenos fornecedores regionais. Entenda um pouco melhor como isso funciona.

 

Localização estratégica

Localizados em pontos estratégicos, os centros de distribuição armazenam um estoque consideravelmente grande e que é responsável por abastecer vendedores diretos. Funciona assim: supondo que uma pequena loja que não tem a capacidade de conter um estoque muito grande acaba fazendo mais encomendas em um menor período de tempo, se essa mesma encomenda for feita para o primeiro fornecedor, a entrega provavelmente sairia mais cara e com um prazo maior. Por isso são utilizados os CDs, uma espécie de estoque intermediário entre fornecedores.

 

Vantagens logísticas

As vantagens que o uso desses centros tem trazido para a logística são realmente incríveis. Como as negociações são feitas em maiores números para um só destino, os custos acabam saindo bem mais proveitosos. O que também ajuda no valor do frete, que se torna mais vantajoso que diversas viagens fracionadas.

 

E a sua empresa, já utiliza esse sistema? Continue acompanhando nosso blog para mais curiosidades sobre o mundo da logística.

Categorias
Logística

Telemetria: o que é?

 

A telemetria nada mais é do que um sistema de envio de dados, normalmente de monitoramento, via telecomunicação. No começo do processo a transmissão era normalmente cabeada a até 30 metros ou sem fio, daí o nome telemetria. Hoje, com os avanços da tecnologia, essa limitação já não existe mais e não é mais necessário estipular uma distância máxima.

Aplicações

A telemetria é muito utilizada para o monitoramento na distribuição de recursos, assim como energia e água, pois permite monitorar em tempo real os reservatórios utilizados. No ramo da agricultura, assim como na meteorologia, a telemetria é responsável acima de tudo por fiscalizar condições climáticas.

Logística

Na logística a telemetria é utilizada para o monitoramento do transporte de cargas, garantindo a segurança do veículo, dos produtos e do transportador caso ocorra algum acidente ou desvio de carga. Além disso, com a fiscalização da telemetria e as informações por ela registradas e transmitidas, é possível também aperfeiçoar o desempenho de cada veículo.

 

Você já conhecia a telemetria? Esse sistema é utilizado na sua empresa? Continue acompanhando nosso blog para ficar por dentro das novidades do mundo da logística.

 

Categorias
Logística

Armazenagem e o estoque moderno

 

Já falamos aqui no blog sobre a importância do estoque e os problemas que uma má administração pode trazer à empresa. Hoje iremos comentar sobre as novas tendências e o que é previsto para esse setor da logística.

 

Sincronização

Um fato que se deve bastante ao crescimento do e-commerce é a sincronização da estocagem. Devido ao dinamismo do ramo, os armazéns têm entrado em uma fase onde o foco está justamente na movimentação.  Cada vez mais as empresas se esforçam para armazenar apenas a quantidade de reposição realmente necessária.

 

Produção

Para que essa sincronização aconteça no processo de estocagem, o programa de produção deve ser dinâmico e em tempo real, não desconexa como anteriormente. O armazém tende a se tornar um espaço reservado à estocagem estática, baseada na movimentação.

 

E na sua empresa, como funciona a estocagem? Aproveite para conhecer nossos serviços de armazenagem e continue acompanhando nosso blog para ficar por dentro das tendências na logística moderna.

Categorias
Logística

FleetBoard: o que é?

Uma boa gestão de frotas é essencial para um melhor desenvolvimento da logística empresarial. Utilizando a tecnologia a seu favor, a Mercedes-Benz lançou o sistema FleetBoard. Já presente em mais de 20 países, o método chega esse ano ao Brasil.

 

Como funciona

O motorista deve inserir seu destino e características do veículo no sistema, que gera relatórios diários por meio de mensagens de status. Essas mensagens indicam informações como início do trabalho, chegada ao ponto de carregamento, tempo de espera, numero de nota fiscal entre outros detalhes relevantes.

Vantagens

O sistema foi desenvolvido para quem procura maior eficiência e redução de custos de consumo e manutenção. A Mercedes-Benz ainda afirma que empresas que já aderiram o sistema registraram também uma redução no cansaço de motoristas, diminuindo assim o gasto com motivação de equipe. É considerado um método inovador de gestão de frotas via internet, moderno, seguro e extremamente confiável.

 

Gostaram da novidade? Fiquem de olho no nosso blog para essas e outras curiosidades de logística.

Categorias
Intralogística

O parceiro certo para a logística de distribuição

Interessante a matéria do portal G1 a respeito de como montar um sistema de distribuição eficiente. O texto de Felipe Datt trata das encomendas das empresas que começam a ganhar volume, receber pedidos de maneira simultânea e se deparam com a necessidade de reorganizar a logística. Hoje, os clientes querem receber o produto em boas condições, no prazo e de acordo com a qualidade do que compraram, sejam eles clientes finais ou revendedores. Manter essa boa relação fortalece a confiança entre ambos e torna as operações mais eficientes e seguras. A agilidade dessas operações é algo vital para o negócio. Uma empresa terceirizada pode encaixar como uma luva, liberando o empresário para realmente gerenciar o seu negócio.

Parceiros

Pelos dados da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), no Brasil são mais de 71 mil transportadoras e distribuidoras especializadas em entrega. Para escolher o parceiro, é preciso analisar as características das mercadorias, estoque, preço e know how. A BPLog aconselha o empresário a prestar atenção também na carta de clientes atendidos pela empresa de logística a ser contratada.

Matéria do G1

São quatro os tópicos destacados pelo G1 na revista “Pequenas Empresas & Grandes Negócios”. Vale destacar:

  • DE OLHO NO ESTOQUE

Não há uma regra, mas as mercadorias têm um custo logístico inerente. Um bom investimento seria em produtos de maior giro, para não ocupar espaço de armazenamento. Se a sua empresa trabalha assim, ok, mas se há necessidade de estoque é bom pensar bem no contrato no momento de firmar parceria. Você precisa de prazo e menor preço. Leia mais…

  • A OPÇÃO PELA TERCEIRIZAÇÃO

Hesitar na hora de contratar um distribuidor é algo problemático. Sua empresa não deveria se preocupar em como o produto será entregue após a venda. O melhor negócio é firmar parcerias e evitar despesas com a manutenção de veículo próprio, motorista, segurança do transporte, embalagem da mercadoria, combustível, etc. Se o seu negócio é restrito por região, há empresas que podem atendê-lo sem custo demasiado, por volume médio. Leia mais…

  • A ESCOLHA DA TRANSPORTADORA

Procure saber qual é o perfil dos seus clientes e como uma transportadora poderia prestar um serviço baseado nessas exigências. É importante deixar claro quais são os tipos de produtos com os quais se trabalha e transmitir essa informação para a terceirizada. Fica mais fácil de se chegar a um acordo e saber se a empresa a ser contratada tem condições prestar o serviço, evitando surpresas. Leia mais…

  • A NEGOCIAÇÃO DO CONTRATO

Não comece nada sem combinar as cláusulas do contrato. É a regra número um para determinar responsabilidades e garantir uma cobrança jurídica, caso haja divergência no acordo de serviços prestados. Leia mais…

Até a próxima!

Categorias
Intralogística Logística

A cadeia de suprimentos como a menina dos olhos da logística

O blog da BPLog aprofunda conhecimentos de maneira que todos os leitores do blog tenham acesso a informações relevantes sobre logística, desde o profundo conhecedor da área até o mais leigo. Como a cadeia de suprimentos é um dos assuntos que sempre está em evidência, falaremos sobre a sua importância dentro da ordem produtiva e em que a sua gestão adequada pode contribuir para o melhor desempenho mercadológico da empresa, ou seja, torná-la mais competitiva e com reais chances de abocanhar grandes fatias da “pizza de negócios”.

O planejamento da cadeia de suprimentos envolve produção industrial, estoques, transporte, a compra dos mesmos e a organização de toda a demanda. Imagine que uma obra vai começar em uma residência. Para resumir o processo, é preciso ter um projeto definido, a assinatura do engenheiro, a aprovação da prefeitura, data para começar, data para terminar, o pedreiro e o material. Imagine que o pedreiro chega para trabalhar na segunda-feira e não encontra nem areia, nem cimento, porque o responsável pela obra ainda não terminou de fazer os orçamentos nas lojas de material de construção. É atraso na certa, prejuízo na certa e muita dor de cabeça. Isso que quando se trata de uma obra da construção civil já se trabalha com atrasos eminentes por conta o mau tempo, intempéries no terreno ou algo do gênero.

Transportando o exemplo para a cadeia industrial, já pensou faltar matéria-prima ao ligar as máquinas? Claro que a administração dos setores de uma empresa é muito mais complexa do que uma obra residencial, com o agravante de que um simples atraso interfere na demanda de inúmeros outros clientes.

Estamos falando dos mínimos detalhes, portanto, muito provavelmente trataremos de empresas bem encaminhadas nesse sentido e de outras que ainda patinam na má gestão logística. Mas o que é possível fazer para aprimorar?

O planejamento estratégico da cadeia de suprimentos envolve decisões sobre organização. Os produtos, a localização, as remessas, entre outras coisas chamadas de objetos precisam entrar como parte da estrutura do todo, afinal, interagem uns com os outros baseados em regras operacionais que precisam estar claras, desde a retaguarda até a ponta final da distribuição. É aí que entram customizações da logística interna para evitar as falhas, ou mesmo, as antecipar.

Também não dá para esquecer que a logística interna trabalha com indicadores de desempenho para mensurar os resultados e formatar ações de melhoria continua nos processos da operação. Se a empresa não tem o know-how para detectar problemas ou mesmo encontrar soluções a partir de indicadores, que podem ser inclusive a diminuição do lucro ou o gasto excessivo de materiais, ou mesmo uma sobra que não se sabe ao certo de onde está vindo, há no mercado prestadoras serviços logísticos terceirizados, como a BPLog, que atuam desde a consultoria logística até a gestão completa das operações. Cabe ao empresário e aos diretores decifrar as suas deficiências e apostar em mudanças, caso sejam necessárias.

Bons negócios a todos.

Categorias
Serviços logísticos

O suprimento da carência de armazéns para gerenciamento de estoques

Os armazéns também costumam ser chamados nas empresas de depósito ou almoxarifado. O espaço serve para estocagem de produtos com a intensão de protegê-los da ação do tempo, das avarias e das perdas. De acordo com a demanda, por meio do “gerenciamento de estoques” os produtos entram e saem, respeitando épocas de consumo e necessidades mercadológicas. As empresas costumam terceirizar a utilização desses espaços porque nem sempre detêm essas áreas disponíveis em sua infraestrutura física, optando por contratar uma empresa de logística.

Empresas especializadas como a BPLog, além de oferecerem espaço para armazenagem em seus barracões, gerenciam os estoques de seus clientes desde a chegada do produto, sua organização horizontal e vertical, etiquetagem para controle até o despacho final para a transportadora. Para isso são utilizados equipamentos com o porta paletes, cantilever, dinâmica e push-back. Especificamente na BPLog, a armazenagem tem ligação direta com o chamado ressuprimento. As exigências cumpridas envolvem administração de estoques e seus níveis, cálculo de pontos de ruptura para compra de novas mercadorias, gerenciamento por categoria, entre outros. A lógica do processo é simples. As companhias fazem a seleção do pedido e, após a confirmação da venda, os produtos são separados no processo de picking, evitando falhas.

Por que os armazéns são importantes para a logística?
A BPLog, e outras empresas de logística, há tempos mudou o conceito de armazenagem por área. A altura também faz parte do processo e isso aumenta a capacidade de espaço, pois se pensa em metros cúbicos. O bom aproveitamento de espaço contribui para a economia e não há mais como destinar péssimos locais para o processo. A armazenagem ganhou grande importância na cadeia produtiva e sai na frente quem entende o avanço e interpreta seus custos como investimento. Infelizmente, o Brasil ainda é carente nessa área e a BPLog, numa tentativa de contribuir para o crescimento do setor, investe no ramo e oferece esse tipo de espaço para os clientes, bem como toda a operação logística que esse tipo de trabalho exige.

Para a logística, a armazenagem tem importância porque melhora a cadeia:

  • Suprimento – Produção – Distribuição.
  • Estratégia – Técnica – Operação.

Para darem certo, essas atividades precisam absorver a administração de materiais, o planejamento da produção, o suprimento e a sua distribuição física. Tudo deve estar integrado para firmar o conceito perante o cliente. A armazenagem é considerada uma das atividades de apoio ao processo logístico, principalmente nas atividades primárias. A função requer, basicamente:

  • Localização.
  • Dimensionamento.
  • Arranjo físico.
  • Equipamentos e mão de obra especializada.

Além disso, uma instalação de armazenagem deve ser capaz de assumir funções como:

  • Recepção e consolidação de produtos de vários fornecedores.
  • Recepção de produtos de uma fábrica e distribuição a diversas unidades ou fornecedores.

Lembrando que a atividade deve sempre tratar das funções básicas de recebimento, estocagem, administração de pedidos e expedição.

Categorias
Logística Serviços logísticos

Pico de armazenagem de final do ano requer organização e boa infraestrutura logística

Final de ano é sempre um período tumultuado para o comércio. É uma época em que os consumidores estão muito mais dispostos a comprar e, portanto, as lojas e fábricas, normalmente, aumentam as suas produções. Essa movimentação e aumento de demanda acabam refletindo no setor de logística, tanto na parte de distribuição quanto de armazenagem.

A experiência dos atacadistas lhes diz que todo o ano é assim, mas, por inúmeros fatores, nem todos têm condições de estar organizados o suficiente para enfrentar a situação e, com isso, logo esbarram na dificuldade de alocar produtos e mercadorias. Parte do problema é a falta de infraestrutura do Brasil no setor de armazenagem. Se tomarmos o exemplo da produção agrícola, os noticiários no permitem saber que o país perde muito da sua produção por não ter onde armazená-la. Grãos que poderiam permanecer estocados até a próxima safra ou esperando um preço melhor acabam estragando ou sendo vendidos a preços muito baixos. Fora o desperdício durante o transporte, que, em 2010, rondava a casa dos R$2,7 bilhões perdidos com o derrame de grãos, englobando os principais modais de transporte (fluvial, rodoviário, ferroviário).

Logística
Nos demais setores produtivos, que não o de alimentos, a perda não é tão grande porque os produtos são menos perecíveis, mas, ainda assim, os gastos são exorbitantes desde a obtenção da matéria-prima até a chegada do produto final nas mãos do consumidor. Algo que poderia ser muito melhor otimizado. Voltando ao problema de final de ano, citando mais um exemplo, com os armazéns (ou centros de distribuição) lotados alguns produtos que poderiam chegar até o ponto de venda final com apenas uma viagem, acabam diluindo o percentual de lucro circulando de lá para cá e deixando o consumidor sem o seu objeto de desejo, o que, muitas vezes, coloca em risco toda uma estratégia de marketing e venda. É só buscar na memória quantas vezes alguém pediu um determinado produto em uma loja e obteve a resposta: “Estamos em falta e a fábrica não tem previsão de entrega”.

Desenvolvimento de estratégias
A melhor solução é pensar em tudo que engloba logística levando em conta as tendências futuras e as experiências do passado. Se o empresário sabe que o final de ano se apresenta como um momento crítico, a tomada de medidas antecipadas se converte em economia. Hoje em dia, os armazéns próprios podem ser perfeitamente complementados por locais terceirizados, com sistemas de gestão WMS e uso inteligente dos espaços. O aproveitamento produtivo é muito maior e a preocupação em resolver esse tipo de problema é muito menor. Sem exagero, empresas que buscam soluções estratégicas em logística, seja por consultoria externa ou contratação de serviços mais específicos, se interessam tanto pelo setor e suas nuances que acabam criando departamentos específicos para atender a área ou se relacionando de maneira mais estreita com as empresas de logística terceirizadas.

Para o bom andamento de todos os processos, seja em épocas de final de ano ou demais períodos, o pensamento estratégico deve estar focado na boa organização e infraestrutura interna ou terceirizada. Quanto mais otimizados forem os processos, maiores são as chances de sucesso.

Categorias
Logística

A consultoria em logística exige conhecimento de todos os setores da empresa


A prestação de consultoria em logística exige conhecimento de todos os setores de uma empresa. Ao diagnosticar a necessidade desse serviço, o empresário espera que as suas atividades sejam compreendidas, analisadas e modificadas por profissionais preparados para oferecer soluções ao negócio, desde o controle de estoque, distribuição, equipamentos, mão de obra qualificada e utilização de softwares adequados. Por essa razão, os consultores precisam manter os conhecimentos constantemente atualizados. É isso que caracteriza a dedicação da consultoria em logística na busca pela excelência de seus serviços.

Consultorias logísticas devem estar preparadas para enfrentar as mais adversas situações, pois a implementação desse tipo de serviço exige quebra de barreiras dentro das empresas, como a mudança de hábitos, reorganização de pessoal, troca de operações, readequação de horários e, na maioria das vezes, disposição para treinar toda a equipe da empresa para a qual se presta o serviço, até mesmo com interferências nos cargos de chefia, que nem sempre estão preparados para assimilar e aceitar as mudanças como algo positivo e construtivo até a conquista dos resultados de curto, médio e longo prazo.

Vivemos um momento muito competitivo, no qual o conhecimento, pelo menos em teoria, está disponível e mais acessível a todos. O que muda é a forma de aplicá-lo, já que os mínimos detalhes fazem a diferença na gestão de custos, reinvestimentos, redescoberta de mercados e inovações logísticas. Não há crescimento, nem manutenção de uma atividade, sem considerar todas essas variáveis. A busca constante pelo preparo profissional vai muito além de uma mera expectativa, há tempos ela já se tornou uma exigência e sai na frente quem incorpora esse pensamento no dia a dia empresarial.

Ao cumprir tais exigências, as consultorias em logística potencializam o sucesso de seus clientes preparando-os para otimizar suas operações e gerar valor aos seus negócios.

Categorias
Logística Serviços logísticos

Calcular o custo logístico é um dos maiores desafios das empresas

Quanto custa para armazenar um produto? Qual é o custo do transporte, do gerenciamento dos fretes, da distribuição de mercadorias? Qual é o custo ideal para uma operação de intralogística?

Essas são apenas algumas das perguntas a serem respondidas por uma empresa de qualquer setor que pretende ter resultados positivos em seus negócios. O custo logístico é tão importante quanto o custo da mercadoria em si, porém nem sempre essa informação é incorporada no cálculo. Ao pensar em um modelo para simples explicação, podemos citar a operação de logística interna e armazenagem. Há uma oscilação natural de custos nessas duas áreas, variando de acordo com as características de cada operação. A empresa precisa deter cada número da operação para administrar o custo total logístico, o qual também envolve outros departamentos, como, por exemplo, o transporte.

Não vamos falar aqui de fórmulas para cálculo de preços, basicamente o empresário deve ter em mente que o seu estoque está gerando despesas, assim como a distribuição, o gerenciamento de matérias-primas, dentre outras. Quanto mais otimizado se tornarem tais processos, maior é a economia e, portanto, maior é o lucro. Lembrando que só utilizamos a palavra lucro para tornar didática a explanação, uma vez que a logística por si só não gera lucros, assim como a compra de matéria-prima por um preço mais em conta também não. O lucro é o resultado da eficiência dos processos, somada a margem projetada no preço de venda do produto e do diferencial que agrega valor ao negócio. Porém, a conta é simples, ao economizar na produção e nos seus processos, incluindo a logística, a empresa cresce e se fortalece para novos negócios.

A inteligência corporativa sabe que os custos logísticos representam de 5% a 35% das vendas, variando de acordo com o estilo do negócio, processos e utilização de materiais. Eles são vitais para o sucesso, uma vez que há uma grande despesa com a área. Sua boa gestão traz competitividade para o negócio, mas é um departamento muito difícil de organizar. Talvez o pior de todos pelo fato da Logística ser a última ponta do processo de produção. Pense no vendedor ambulante de pipoca. Ele tem o carrinho, as panelas, o óleo, o sal, os saquinhos para depositar o produto e o evento para o qual ele foi chamado já vai começar. Acontece que o sobrinho que ficou de trazer o milho-pipoca perdeu o ônibus e vai atrasar duas horas. É óbvio que o dia está perdido e, nesse caso, a falta de organização da logística prejudicou o negócio em 100% porque foi incapaz entregar a matéria-prima a tempo.