Categorias
Logística Serviços logísticos

Logística: Governo resolve mudar as regras para a concessão de estradas

Na terça, dia 5 de fevereiro de 2013, o ministro da economia, Guido Mantega, anunciou mudanças nas regras de concessão de estradas. “Todas as medidas foram tomadas pensando na necessidade de melhorias e investimento na logística brasileira”, disse o ministro, em São Paulo, durante o Fórum Estrutura Energia no Brasil. A ideia é aumentar a rentabilidade das concessões, mantendo o interesse sobre elas, para, com isso, gerar crescimento natural. Ainda não sabemos se essa tentativa de alavancar o setor de infraestrutura rodoviária do país dará certo, mas já se fala em ampliação e oferecimento de vantagens semelhantes para o investidor também na área ferroviária.

Entre as principais mudanças estão:

  • Prazo de financiamento total ampliado para até 25 anos.
  • Prazo de concessão ampliado para 30 anos.
  • Prazo de carência para início de pagamentos agora de 5 anos.
  • Taxa de juros TJLP + até 1,5%, dependendo do rating do tomador.
  • Projeção de expansão de tráfego nas rodovias reduzida para 4% ao ano.
  • Possibilidade de financiar até 80% dos projetos com agentes financeiros e até 20% por meio de fundos.
  • Junto com o BNDES, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal também poderão fazer empréstimos, individuais ou por consórcio.
  • Todas as vantagens anunciadas também serão oferecidas para empresários internacionais.

Apostas
Ainda é cedo para fazer apostas. Os possíveis resultados só vão aparecer quando os empresários assimilarem as mudanças e entenderem que as novas regras são mesmo um bom negócio. Não sabemos se a novidade do governo incentivará melhorias na área de logística até que licitações e obras aconteçam. Por enquanto, o que se tem é que o leilão de concessão de trechos das estradas BR-040 e BR-116, marcado para janeiro, foi adiado a pedido de pessoas interessadas e três empresas desistiram de participar do mesmo leilão por acharem que as projeções econômicas futuras estavam altas demais.

Há mais detalhes sobre a publicação na matéria do G1.